Quem somos

Quem somos

Trio Virgulino celebra 40 anos de histórias e grandes sucessos no forró pé de serra 

  

Conhecido com um dos grandes precursores do tradicional forró pé de serra, o Trio Virgulino celebra atualmente 40 anos de carreira, composto por diversos sucessos no cenário da música nacional, além de muitas histórias ao longo de shows e viagens pelo Brasil e mundo afora. 

Formado por Adelmo Nascimento (triângulo), Roberto Pinheiro (zabumba) e Robson Pinheiro (sanfona) – Robson é o mais novo integrante do Trio, e é filho do Roberto, o Trio Virgulino é conhecido pela espontaneidade e alegria em seus shows e trabalhos diversos. Ao longo dos anos, muitas músicas marcaram época no segmento forró, ao lado de grandes artistas de destaque, como Dominguinhos, Elba Ramalho, entre outros. 


O início 

Adelmo Nascimento e Enok Virgulino se conheceram em Parnamirim, no estado de Pernambuco. Em 1978, os dois se encontraram na praça da cidade, onde Enok estava com seu acordeom. A criançada vivia pedindo para Enok tocar, mas ele recusava. Aos poucos, foi se acostumando e o povo se encantando com o talento do sanfoneiro.  

No ano seguinte, já em Americana, no interior paulista, Adelmo voltou a encontrar Enok, que desta vez acompanhado de seu irmão, Jaime, tiveram a feliz ideia de começar a ensaiar em sua casa. Com os ensaios, várias pessoas se juntavam para ver o Trio, que até então não tinha um nome.  

Em 1980, enfim, nasce o Trio Virgulino. A ideia do nome partiu de Enok, pois Virgulino é seu sobrenome. A partir deste momento, o Trio Virgulino passou a ser convidado para apresentações, entre elas no Festival de MPB do Rio Branco Esporte Clube, da cidade de Americana (SP). Na oportunidade, após cantarem 3 músicas, o público aplaudiu e reverenciou o Trio, não permitindo a saída deles do palco. Uma outra passagem foi num programa de rádio, onde o prêmio ao ganhador era uma cesta básica. Logo, o Trio Virgulino ganhou o prêmio e mais um salário para se apresentar nas transmissões do programa local na rádio Clube de Americana. 

 “Era tudo muito novo para gente. Não tínhamos a ideia de que um ritmo nordestino poderia ser destaque e sucesso no estado de São Paulo”, relembra Adelmo Nascimento. 

 Passados 7 meses, Jaime acabou saindo do Trio, por motivos profissionais, e foi substituído pelo Roberto Pinheiro, o grande zabumbeiro, que permanece até hoje na formação do querido Trio Virgulino. 

 

Os primeiros passos e trabalhos 

O primeiro disco surgiu em 1986, com o “Beijo Moreno”, um trabalho independente. “Era a realização de um sonho que parecia impossível”, destaca Adelmo. A partir deste momento, os convites para shows e eventos não paravam de chegar, e no início dos anos 90, surgiram os shows em universidades de São Paulo. Era o fenômeno do “forró universitário” explodindo pela região Sudeste, especialmente na capital paulista. Bandas como Falamansa, Rastapé, Bicho de Pé, entre outras, acompanharam o sucesso do Trio Virgulino e foram praticamente apadrinhadas pelo Trio. 

Em 1998, mais um trabalho lançado pelo Trio, com Forró e Paixão, seguido de O Beijo Que Você Me Deu, de 1999. Forró e Paixão é uma das mais tocadas e pedidas em shows do Trio Virgulino até hoje.  

O sucesso nacional despertou o interesse de grandes gravadoras e do público internacional, com turnês pela Europa (França, Inglaterra e Espanha), além de shows nos Estados Unidos. Em 2001, com a Abril Music, o Trio Virgulino lançou mais um trabalho (Coração Feliz), com participações de Dominguinhos e Falamansa.  

Em 2005, foi lançado o sexto trabalho do Trio Virgulino (Forró do Futuro), com participações de Elba Ramalho, Tato (Falamansa) e Dominguinhos. Das 14 faixas deste álbum, 9 são composições próprias, que mostram todo o lado de criação do Trio e de seus parceiros musicais.  

Outros trabalhos lançados pelo Trio foram “Isso Aqui Tá Bom Demais”, em 2009, com participações de Alceu Valença, Zeca Baleiro, Zélia Duncan, entre outros. Em 2011, novo disco lançado com “Vida de Forró”.  

 

O prazer de cantar e se divertir no palco 

“Nossas músicas sempre foram muito valiosas junto ao público, nossos fãs sempre cantaram e dançaram ao som do Trio, o que nos deixa muito felizes, e mesmo após tanto tempo de estrada, o povo ainda se recorda de muitas músicas ”, conta Roberto Pinheiro, um dos fundadores do Trio Virgulino, ao lado de Adelmo Nascimento e Enok (este saiu em 2018 para se dedicar à carreira solo). Entre as canções citadas por Roberto, destaque para Preciso do seu Sorriso, Forró e Paixão, Pequenininha, Até Mais VerFrevo Mulher, Forró do Rei, entre outras.     

Ao longo dos 40 anos de carreira (celebrados entre 2020 e 2021), o Trio Virgulino já realizou inúmeros trabalhos de destaque no cenário nacional, com participações especiais de artistas consagrados da música como Dominguinhos, Elba Ramalho, Alceu Valença, Caetano Veloso, Zélia Duncan, Osvaldinho do Acordeon, Tato (Falamansa), Zeca Baleiro, entre outros. “Nossa história é muito rica, ao lado de grandes artistas e muitos amigos, e seguimos trabalhando com muito amor e carinho, pois queremos seguir cantando e levando alegria para o povo”, diz Adelmo Nascimento, músico e compositor do Trio. 

Atualmente, o Trio vem trabalhando na composição de novas músicas, que devem ser lançadas em breve (em 2021), juntamente com a Oitava Produções (produtora que administra a carreira do Trio). Neste período de pandemia, o Trio tem participado de algumas lives como convidados de colegas artistas, além de participações na mídia com entrevistas em rádio, TV, portais e Youtube. 

 

Baixar arquivos:

Apresentação PDF.

Mapa de Palco aqui.

Mapa de Palco com banda aqui.